Projeto Educativo e Cultural “Tecendo a historia do Tomba e Poção” realiza reuniões em comunidades rurais e no bairro do Tomba.

por pai publicado 18/08/2013 23h59, última modificação 09/07/2015 10h17
Comunidades de Poção, Barro e Tomba, recebem a equipe do projeto Educativo e Cultural " Tecendo a Historia do Tomba e Poção"

Com o objetivo de ter o reconhecimento de comunidades Quilombolas, o projeto Educativo e Cultural “Tecendo a historia do Tomba e Poção, idealizado pelo professor João Pereira, que conta também com a participação da Drª Herinalva Barbosa (Psicóloga), da Professora Marlice Cantunilia (Coord. De projetos de diversidades culturais de Paratinga) e em parceria com Presidente da Câmara de vereadores de Paratinga Aristóteles (Toge), Realizou reuniões no último dia 15/08/2013 nas comunidades de Poção, Barro e no bairro do tomba. Contando com a presença especial de Cláudio Pereira (Coord. Do comitê da bacia hidrográfica do São Francisco e quilombola da lagoa das Piranhas e de Florisvaldo Rodrigues (Coord. Regional dos quilombos do território Velho Chico e representante do quilombo Araçá Cariacá, a convite do pres. Toge, com o intuito de mostrar a essas comunidades como é importante e benéfico, terem a sua identidade reconhecida como quilombolas organizados.

Drª Herinalva e Profª Marlice

 

Nas localidades de Poção e do Barro a Drª Herinalva Barbosa, relatou os objetivos do projeto para com a comunidade afro descendentes e as imediatas ações para a concretização do mesmo.

Logo em seguida a Profª Marlice Cantunilia, descreveu um pouco da história dos negros ao longo de anos de luta e sofrimento. Mostrando a todos que é necessário o reconhecimento e afirmação das suas origens.

O presidente Toge, procurou mostrar a todos a necessidade de valorização das suas raízes, como também a afirmação de suas origens, para que possam lutar com mais força pelos seus direitos, negados a séculos. “É chegada a hora de cobra da historia o reconhecimento pela valiosa contribuição dos povos negros na construção dessa nação, o Brasil nos deve uma retratação pelos longos anos de exclusão, preconceitos e bens que nos foram arrancados.” Ressaltou o presidente.

Presidente da Câmara Municipal - Toge

 

O coord. Da Bacia Hidrográfica do Velho Chico, Cláudio Pereira, trouxe um pouco da sua experiência na luta de reconhecimento de uma comunidade quilombola, e ainda afirmou que os negros hoje tem, os mesmos direitos que os outros e devem lutar por isso. Porque é uma obrigação do governo em facilitar o acesso à educação, moradia, alimentação, a um povo que com seu sangue e suor fez desse chão um grande país, e que nunca deixou que os seus desbravadores pudessem gozar de regalias, destinada a uma minoria seleta.

Por sua vez, o Coord. Dos Quilombolas do território Velho Chico, Florisvaldo Rodrigues, esclareceu a todos, sobre o que é ser Quilombola, e terem seus direitos assistidos como comunidades organizadas. Falou sobre os desafios encontrados nessa luta de reconhecimento, a exemplo da sua localidade no Quilombo de Araçá Cariacá, no município de Bom jesus da Lapa e também das regiões que compreende o território do Velho Chico. Ambos se mostraram comprometidos em dar todo o suporte nesse projeto em busca de uma vida melhor para os afros descendentes.

Pres. Toge, Cláudio Pereira e Florisvaldo Rodrigues

 

Esteve também presente na reunião do Barro, o ver. Carlos André porto Santos (Déu), onde o mesmo agradeceu a presença de todos, que atenderam ao seu convite e ainda chamou a atenção dos presentes para a importância de se ter a localidade do Barro inserida no contexto de ser reconhecida como comunidade quilombola, lembrando que moradores do referido local, sofreu ao longo de anos com a descriminação e o preconceito.

Este evento ainda contou com a presença na reunião em Paratinga, da diretora de Cultura Municipal, Prof. Ilka Moura e também de professores e diretores (as) das escolas e creche do bairro.

Estas series de reuniões, teve o seu encerramento na sede da cidade, no bairro do Tomba. Onde o professor e Pedagogo, João Pereira, falou aos presentes sobre objetivos do projeto, o que ele busca e a necessidade de afirmação por parte da comunidade em querer ser quilombolas, pois só dessa forma podemos receber aquilo que nos foi tirado.

Reunião na Colônia de Pescadores no bairro do Tomba

 

Uma visão geral dos envolvidos nesse importante projeto e também dos convidados, e que a semente que foi plantada anteriormente, começa a criar uma raiz forte, e agora precisa ser cuidada com mais carinho e atenção, na esperança de dias melhores.  forte, e agora precisamos cuidar com mais carinho e atenescriminade quilombola